quinta-feira, 25 de agosto de 2016

COMEÇA HOJE O JULGAMENTO DO IMPEACHMENT DE DILMA.


Começa, nesta quinta-feira, a fase final do julgamento da democracia brasileira no Senado Federal; caso a presidente Dilma Rousseff seja afastada sem que tenha cometido crime de responsabilidade, como acusam a imprensa internacional, artistas, intelectuais, juristas e historiadores, o voto no Brasil não terá nenhum valor daqui para a frente; eleições poderão continuar a existir, mas nenhum governo eleito terá segurança se não se render à chantagem do parlamento; isso significa que o eventual afastamento de Dilma condenará, para sempre, a democracia brasileira e os votos de milhões de eleitores serão sempre irrelevantes diante dos conchavos no Congresso e das armações oligárquicas.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

UMA CHARGE


Ainda dá tempo de nos mobilizarmos contra as ações desse governo ilegítimo.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

NOTA DO PREFEITO ERNANDES SOBRE O COMBATE AOS INDICES DE CRIMINALIDADE EM VENTUROSA

Por meio de sua assessoria, o prefeito de Venturosa enviou nota sobre a violência em Venturosa:


O governo municipal tem procurado agir dentro de suas possibilidades para conter o avanço da violência e da criminalidade em nosso município. A responsabilidade constitucional com a segurança pública pertence ao governo estadual, mas isso não quer dizer que estamos assistindo a esse cenário preocupante de braços cruzados. Nosso compromisso com o povo dessa cidade é total e por isso já procuramos as autoridades militares que respondem por nossa região para pedir um aumento no efetivo de policiais em nossa cidade.

Também enviamos ofícios ao governo do estado relatando a nossa realidade e pedindo providências. A criminalidade tem crescido em todas as regiões de Pernambuco e temos de somar forças e unir nossos esforços para a superação desse problema que tem gerado não apenas prejuízos financeiros mas tem provocado danos irreparáveis a nossas famílias que tem perdido seus familiares para a violência.

Embora nossa guarda municipal não tenha poder de polícia ela está colaborando com tudo o que pode e aumentou sua presença em nossas ruas. Aguardamos respostas do governo estadual no sentido de atender as nossas reivindicações e contamos com a colaboração de toda a sociedade venturosense. Não reajam aos assaltos, denunciem movimentações suspeitas perto de seus lares ou estabelecimentos comerciais. Juntos somos fortes.

Juntos vamos construir uma cultura de paz e trazer de volta a tranquilidade para nossa cidade.


Ernandes Albuquerque
Prefeito.

UMA CHARGE


Caso a proposta de Michel Temer para aposentadoria passe

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

PROFESSOR EMERSON ENTREVISTA EUDES TENÓRIO, CANDIDATO DO PR A PREFEITO DE VENTUROSA


Hoje o blog divulga a entrevista realizada com o candidato a prefeito de Venturosa pelo PR, o odontólogo Eudes Tenório Cavalcanti, popularmente conhecido como Doutor Eudes. Ele já foi prefeito do município por dois mandatos consecutivos e agora disputa o seu terceiro mandato. A entrevista foi concedida em sua residência, na cidade de Venturosa. Essa entrevista foi registrada em vídeo, no mesmo dia em que entrevistei o candidato do PDT, Charlles de Tonho, sem que nenhum dos dois entrevistados tivesse acesso as respostas do outro. A diferença das datas da divulgação já haviam sido informadas aos entrevistados antes de concederem as entrevistas e as mesmas foram transcritas com fidelidade.
Aos dois candidatos foram realizadas perguntas sobre saúde, segurança pública, juventude e geração de renda.
Os comentários são habilitados ao final da entrevista e para serem aceitos o usuário deve estar logado em uma conta google. O blog não aceita comentários anônimos.
Com vocês a entrevista com Dr. Eudes, candidato do PR a prefeito de Venturosa. Boa leitura!


O senhor já foi prefeito duas vezes e ajudou a eleger o seu sucessor, o prefeito Ernandes. Agora, liderando mais uma vez as pesquisas de intenção de votos, retorna para disputar mais uma eleição. A que atribui esse fenômeno?

Eudes: Na realidade não é um fenômeno. A política é feita com o trabalho, com a competência, com o compromisso, com a responsabilidade com o povo. Isso aí eu tive durante os oitos anos que governei Venturosa. Nós tivemos grandes prefeitos que governaram o município nesses cinquenta e quatro anos, mas faltou uma gestão um pouco mais voltada para o povo, com compromisso, com a obrigação de saúde, educação, que na verdade não tinha. Para você ter uma ideia, Venturosa tinha um consultório odontológico e eu deixei vinte. Nós mudamos o perfil da administração de Venturosa, então, acredito que seja por isso.

O processo de sucessão esse ano gerou muitos comentários. Uns defendiam que o prefeito Ernandes disputasse a reeleição, outros pediam o senhor como candidato. Pode explicar para os leitores como se dá o processo de escolha dos candidatos dentro do PR?

Eudes: Não é no PR. É num grupo político que tem compromisso com o povo. E quem tem o compromisso com o povo tem de ouvir primeiro o povo para primeiro tomar uma decisão política. Eu quando fui candidato a primeira vez eu fui para o povo, eu fui contra uma administração, contra um prefeito e eu tinha 43% de intenção de voto na primeira pesquisa que fiz. Então, um candidato de uma oposição com 43% ele não pode deixar de ser candidato. Então, o que viabilizou minha candidatura foi isso. E isso continua de 12 anos para cá. Eu acredito que o importante é ouvir o povo. Depois de ouvir o povo o resto a gente decide no grupo.

Nas campanhas anteriores era comum o ataque a gestões anteriores e a uma má gestão do grupo vermelho. Nessa eleição a base de comparação é o governo do próprio PR. Podemos esperar que essa seja uma campanha marcada pela apresentação de propostas?

Na realidade existe uma continuidade de 12 anos de trabalho. O que é que acontece de ser um candidato do mesmo grupo? É, o povo é quem escolhe. Na realidade o povo me escolheu para que voltasse. Eu tinha 80% de intenção de voto em uma pesquisa. Então, um candidato que tem 80% de intenção de votos ele não pode deixar de estar no pleito eleitoral.

O senhor teve dois mandatos bem avaliados e agora, caso eleito, pode ser que venha a governar num cenário de crise e recessão econômica. Dá para um prefeito fazer um bom mandato num quadro desfavorável como o atual?

Eu acredito que o cenário nacional está se desenhando. Não é como a maioria queria, pelo menos uma boa parte dos políticos não queria isso, mas aconteceu. Eu mesmo não votei em Dilma, mas não sou a favor do impeachment que está sendo realizado. Até porque eu acho que deveria deixar ele terminar o seu mandato e depois viria outro grupo político, outra frente.         Mas aí trocaram seis por meia dúzia e não sei se vale a pena. Mas aí é uma questão nacional. A questão municipal nós temos um FPM que era 1,0 e passou para 1,2, então, quer dizer, teve um adicional de R$ 200.000,00 por mês de dois, três anos para cá e isso facilitou, isso deu uma ajudada para que se mantivesse em dias as contas, que o governo trabalhasse mais ou menos no rumo certo e deu certo. A administração não é ruim. A gente tá falando de eleições que é o povo quem decide, que é o povo que escolhe, independente de administração. O povo não vai eleger um candidato pensando só em administração.

Quais as áreas prioritárias para o nosso município?

A prioridade em qualquer município pequeno é o básico: saúde e educação. Acabei de dizer que nós tínhamos deixado de um consultório odontológico nós deixamos vinte. Para a gente casar a primeira coisa que a gente providencia é uma casa. Então foi o que eu providenciei em oito anos. Vinte escolas reformadas todas na cerâmica, escolas com estrutura para que a criança fosse, tivesse uma melhor condição. Quer dizer, consultórios odontológicos, um aparelho de raio X de última geração, um aparelho de endoscopia, um aparelho de ultrassonografia, tudo isso está sendo montando para que amanhã a população tenha acesso a toda essa rede de atenção básica que o município pode oferecer.

Nossa população vive com medo devido a crescente onda de furtos. Como vai fazer, caso eleito, para que esse quadro se modifique?

A segurança pública é uma questão do estado e não uma questão de município. O que é que nós vamos colocar no nosso município, por exemplo, na avenida Antônio Beliu, na avenida Capitão Justino Alves, nas entradas de Rua Nova, Multirão, Cohab, nós vamos montar um sistema de câmera. O que é que isso vai trazer de ganho para a população? Não há necessidade de o guarda estar na rua três horas da manhã para saber quem está passando, indo ou voltando. Eu acredito que para aquele que vem de carro ou de moto durante as 24 horas do dia vai ter alguém no sistema de câmeras avaliando quem entra e quem sai, principalmente no horário noturno. Acredito que isso não vai intimidar o ladrão, mas vai facilitar para que a gente possa corrigir essa questão de segurança municipal no que a gente puder colaborar com a população.

O maior calo de todo político é a saúde pública. Mesmo com as obras que o senhor diz ter feito, as obras realizadas pelo prefeito Ernandes também na área da saúde, a população ainda reclama da falta de médico na Unidade Justa Maria Bezerra. Dá para resolver esse problema?

A questão médica é um problema que é do Brasil, tanto que foi criado o programa Mais Médicos e tá vindo médico de Cuba. Com esse incentivo, essa ajuda por esse programa que o governo federal criou deu uma ajuda grande aos municípios. Eu lembro que nós tínhamos sete PSF’s e eu nunca consegui ter o sete PSF’s com médico porque o valor pago é pequeno e o médico não ia sair de Recife para passar uma semana em Venturosa pelo valor que o PSF pagava. Então ele prefere ficar lá porque em dois plantões ele ganha o que ganharia em uma semana em Venturosa. Então ele preferia ficar na capital e a vinda desses médicos cubanos deu uma arrumada na atenção básica na maioria dos municípios do Brasil. Agora ainda precisa muito, porque a atenção básica carece do raio X, da ultrassonografia, da endoscopia, do diagnóstico por imagem da maioria das doenças e isso ainda é precário na maioria dos hospitais públicos do Brasil.
  No seu plano de governo existem propostas que contemplem juventude e geração de emprego?

Veja bem, a geração de emprego numa cidade como a nossa seria hipocrisia e seria até assim um desrespeito ao jovem a gente dizer que nós temos um programa desse tipo. Não existe, numa cidade pequena não tem como você fazer. Primeiro, Venturosa não tem água, então, como você traz uma indústria para uma cidade dessa? Mas nós vamos conseguir construir a nossa barragem, que foi comprada a fazenda na época que fui prefeito, foi feito o projeto pelo governador Eduardo Campos, mas infelizmente teve uns contratempos que foi a questão da terra indígena que nós não conseguimos resolver o problema, então foi época em que saí e depois não foi dado continuidade a esse trabalho. Então, acredito que se conseguirmos voltar à prefeitura vamos tentar resolver o problema da falta d’água e acredito que assim será resolvido boa parte dos problemas de Venturosa e principalmente da questão de geração de renda. Só se gera renda como tem como se instalar indústria, se instalar empresas que possam vir com necessidade de uma mão de obra que o nosso município tenha disponível, a bacia leiteira, incentivar o produtor de queijo que também tem a dificuldade no uso da água e tudo isso são consequências que já vem de vários anos e que aos poucos vamos tentar solucionar.

O senhor já foi prefeito antes e agora disputa uma nova eleição. O que não fez em dois mandatos que poderia fazer caso fosse conduzido a um terceiro?
Nós temos dois projetos básicos. O primeiro é água. Uma cidade que não tem água não pode dizer a ninguém e principalmente um prefeito como eu que sendo eleito num terceiro mandato, daqui há dez anos alguém vai dizer: “você passou três mandatos na prefeitura e não corrigiu isso”. E isso é um problema crônico e não depende só do município, mas nós demos o primeiro passo que foi comprar a fazenda, o segundo passo que foi fazer o projeto e o terceiro passo que é ir atrás do recurso para solucionar o maior problema do nosso município que é a falta d’água 

MENSAGEM AOS LEITORES DO BLOG


domingo, 21 de agosto de 2016

DIZER QUE NO BRASIL DE TEMER ATÉ O FUTEBOL MELHOROU É INFANTILIDADE, FANATISMO OU FALTA DE UM BOM LIVRO DE HISTÓRIA.

Pelé e o presidente Emílio Garrastazu Médici
O Brasil conseguiu um feito inédito em seu futebol: o ouro olímpico!

Depois do fiasco apresentado na copa do mundo, o eterno 7x1 sofrido contra a seleção alemã, e de resultados pífios nos últimos jogos, a seleção canarinha apresentou um futebol digno de sua história. A decisão nos pênaltis foi, como diz o jargão, “um teste para cardíacos”.

Neymar, o tão criticado e cobrado atacante (algumas vezes de forma merecida), cobrou o pênalti decisivo e caiu num choro compulsivo de quem cumpriu sua missão. Claro que a defesa efetuada pelo goleiro Weverton não foi menos heroica ou menos brilhante. O conjunto funcionou bem. Há quem diga que as mudanças táticas efetuadas após a visita de Tite, ex-técnico do Corinthians e agora professor da seleção principal foi decisiva para a mudança no estilo de jogo que levou a equipe olímpica até a vitória.
“O campeão voltou”, gritava a torcida eufórica. Nas redes sociais Neymar foi absolvido, a seleção recuperou o amor do povo e uma ideia perigosa, cínica, voltou a circular.

Essa ideia saiu do túmulo como um zumbi de um filme de terror, pronta a devorar cérebros e acabar com as vidas dos incautos. Desde a época de 1970, em plena ditadura militar, não se procurava associar sucesso no futebol com economia e política.

Foi durante o governo do presidente linha dura Emílio Garrastazu Médici que o Brasil se sagrou campeão da copa do mundo de 1970. Médici foi responsável pelo período mais repressor desse país, onde centenas de pessoas foram torturadas e mortas. 

Nessa época a economia mundial crescia e a brasileira se beneficiou disso. Cresceu cerca de 10% ao ano. Houve aumento na oferta de empregos, bem como de empréstimos vultuosos no exterior. Médici se dizia amante do futebol e a conquista da Copa, tornando o país tri-campeão mundial, gerou a propaganda promíscua de apoio ao regime desumano. “Ninguém segura esse país”, “Brasil, ame-o ou deixe-o”.

Hoje temos o Temer, vice presidente da chapa de Dilma, inelegível por oito anos, com riscos de ser caçado pelo TSE, levado ao poder num processo questionável de impeachment e com uma agenda política que não venceria nenhuma eleição.

Temos o Temer que quer congelar os investimentos em saúde e educação pelos próximos vinte anos.
O Temer que quer fixar a idade mínima de aposentadoria para 65 anos.
O Temer que está promovendo um desmonte do SUS para entregar a saúde os pobres a planos populares sem qualidade.
O Temer que quer privatizar todas as nossas empresas.
O Temer que foi apontado como informante dos EUA, que é amigo pessoal e defensor do Eduardo Cunha, que reduziu programas sociais e já anunciou cortes gigantescos nas verbas das universidades federais e cujo ministro da justiça disse que precisamos de mais armas e menos pesquisas.
E hoje as redes sociais saúdam esse Michel pelo ouro olímpico da seleção brasileira.
Ainda não sei se por infantilidade, ignorância ou cinismo. A hipocria as vezes se disfarça bem.
O Michel Temer já copiou o slogan da ditadura no seu governo interino, está desmontando o país e o isolando internacionalmente. Agora, esse desmonte está sendo apoiado por quem ama futebol e nada entende de história ou política.
Os mesmos que mandam os questionadores irem para Cuba. Eles já tinham adota o “ame-o ou deixe-o” antes do “ninguém segura esse país”.

Estamos indo para o fundo do poço, amigos. Há muito o que Temer.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

DOIS JOVENS SÃO ASSASSINADOS EM VENTUROSA


Os índices de violência em Venturosa são alarmantes. A cidade está recuperando a péssima fama que possuía há quase duas décadas atrás, de ser violenta e terra de pistoleiros. Dois jovens foram assassinados na noite dessa quarta-feira, próximo a uma padaria no bairro da Rua Nova. Os jovens eram irmãos e até agora ninguém sabe o motivo do crime.

O que sabemos é que já passou da hora das autoridades constituídas darem uma resposta aos que tingem de sangue as nossas ruas e levam embora a paz de nossa comunidade.

Os roubos de celulares já se tornaram comuns.

Ontem uma mulher foi alvejada a tiros.

Hoje dois jovens são assassinados,

E amanhã, Venturosa?

Até quando ficaremos em silêncio, de braços cruzados, esperando para ver quem será a próxima vítima.

A sociedade precisa reagir e trabalhar em conjunto. Não se eximam disso, não deixem que víboras procurem fazer dessas tragédias armas políticas para agredir, chegar ou se manter no poder.

Nossas vidas não são brinquedo para servirem de peças em tabuleiros.

Que as autoridades municipais cobrem das estaduais. Que a sociedade se mobilize, faça força para que essa sangria seja estancada.

Precisamos de um novo pacto pela vida e de um grande ato pela paz.

Como disse Luther King, o que mais preocupa não é a selvageria dos maus, é o silêncio dos bons!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

PROFESSOR EMERSON ENTREVISTA CHARLLES DE TONHO, CANDIDATO DO PDT A PREFEITO DE VENTUROSA

Esse blog escreve sua história com credibilidade. Foi a credibilidade alcançada com esforço e trabalho ético que me permitiram realizar entrevistas com os dois candidatos a prefeito de Venturosa. Hoje publico a entrevista realizada com o candidato do PDT, o senhor Charlles Adriano, ou Charlles de Tonho, como é popularmente conhecido.
Charlles é servidor público e pautou seu mandato pelo serviço à população e a fidelidade ao grupo político que o elegeu. Nessa entrevista ele fala sobre como se deu o processo que o levou a ser candidato pelo grupo vermelho, a necessidade de renovação das forças vivas do partido e o que pensa sobre a gestão pública municipal e como, em sua opinião, é possível melhorá-la.
          A entrevista foi concedida na residência do candidato, na cidade de Venturosa.



Embora tenha sido eleito para o primeiro mandato como vereador em 2012, o senhor possui uma longa trajetória política como militante. O senhor vai partir para uma disputa dura, não seria mais fácil ser candidato a vereador? Pode falar um pouco sobre isso?

Bom, eu comecei na política desde cedo, aos 13 anos, quando tive o prazer de conviver e conhecer o grupo vermelho, que naquele tempo vivenciou um racha. Tive o prazer de conhecer gente como Valdecy Silva, Ranulfo de Justino Alves, Balila e outras lideranças e militâncias. Naquele tempo racharam por uma diferença de ideias no grupo, e racharam! Ver isso de perto, os debates, tudo despertou meu interesse. Mas mesmo antes disso, minha família sempre foi dedicada a ajudar os outros, a querer o bem do próximo. Cito o exemplo de minha, quando diretora de escola, que sempre procurou ajudar as pessoas, com atenção aos mais necessitados e sem interesse político. Só mais na frente, em 1992 é que minha família entrou mesmo na política, quando meu pai foi vereador. Foi eleito e tiraram o mandato dele, veio 1996 e dizem que ele perdeu por seis votos, então ele saiu e eu entrei em cena. Fui candidato em 2000, fui candidato a vereador e tive 222 votos, perdi por 13. Veio 2004, continuei e tive 329 votos, perdi por 42. Mas eu não desisto do sonho, eu o adio. O sonho que eu tenho eu não desisto, eu adio. Então, em 2008, por motivos pessoais não fui candidato. Em 2012 veio a oportunidade e fui eleito com 353 votos e durante esses quatro anos dediquei o meu mandato ao meu partido e ao povo de Venturosa. E mantive o que disse lá no dia da posse, que nada que o prefeito Ernandes precisasse para o bem de Venturosa eu votaria contra. Então eu sempre estive a serviço do povo em primeiro lugar. Então, quando me procuraram (para ser candidato à prefeito), me convidaram, não me passou em nenhum momento dizer um não porque gratidão se paga com gratidão, e era injusto um partido como o nosso, do tamanho que é o nosso e da grandeza de tantos homens e mulheres de bem, sair deixando o outro com uma candidatura única e nós somente com os vereadores.  

Charlles, você concorda que o grupo vermelho precisa se renovar na política de Venturosa?

Concordo, e era pra essa renovação devia ter sido iniciada antes porque tivemos alguns passageiros no nosso partido que só pegaram os votos e foram embora. Graças a Deus, saíram. Estão lá no cantinho deles e permaneçam lá onde estão. Estamos renovando o nosso partido e essa é uma das maiores responsabilidades que eu vou carregar que é a de reorganizar o partido. Isso para que possamos juntos com os partidários continuar um trabalho de visita ao povo e não de esquecer das pessoas, deixando para ir até elas às vésperas de uma eleição. Que possamos passar esses quatro anos trabalhando, procurando servir ao povo dentro dos nossos limites para que cheguemos numa posição mais confortável politicamente.

Você, o seu candidato a vice e os candidatos a vereadores podem se considerar como o grupo que iniciará a renovação do partido?

Tenho certeza disso, meu amigo Emerson. E temos outras pessoas também que estão contribuindo muito, muito mesmo, para que possamos dar esse pontapé inicial. É tanto que você vê que quase todos os nossos candidatos a vereadores são jovens e são tão grandes que por iniciativa deles propuseram um documento que estipulasse que os eleitos, caso não se mantenham fiéis ao partido, percam seus mandatos. E esse documento foi feito. São homens de bem e não passageiros interessados apenas nos votos do partido para depois de eleitos darem as costas ao partido.

Caso seja eleito quais as áreas mais urgentes de atenção em nosso município?

O principal é a saúde, que é um descaso em nosso município. Não adianta nenhum prefeito, nem esse que está nem o outro, venham dizer que não tem dinheiro na saúde que tem! Um município onde entram um milhão e duzentos mil reais por mês para a saúde, ele pode contratar 14 médicos só para a casa de saúde! Botava 7 especialistas e 7 clínicos gerais. Outra questão que vejo de grande necessidade é que a Secretaria de Agricultura se empenhe com o produtor rural e o pecuarista. Uma das nossas ideias é a de um banco de sêmen para que os pequenos possam melhorar seu rebanho. A política que vai ser feita em nosso governo é de atenção igualitária. Um exemplo: se vai para as Pedra Fixe, toda barragem, seja de A, de B ou de C, toda barragem tem de ser limpa. Porque aqui é assim, como foi antes, só limpa se for meu, ou se limpar tem que vir para mim. A política nossa é diferente, o que for de um é de todos porque nada pertence ao prefeito, tudo é do povo de Venturosa.

Qual a proposta para emprego e juventude?

Emerson, nossa cidade infelizmente não foi abençoada com água, que é de onde poderia procurar fábricas, dar incentivos fiscais e tentar. Mas como nossa realidade é outra, temos de tentar investir. Qual a nossa maior fonte de renda? O queijo e o leite. Então, partiríamos daí, ofertando cursos, dando incentivos e procurando financiar câmaras frias para os pequenos produtores porque melhoraria a qualidade do seu produto e sua competitividade. Para a juventude seria importante ofertar cursos profissionalizantes. Desejamos fazer duas casas do estudante, uma em Caruaru e uma em Recife. Vamos estudar para vermos a questão de Garanhuns, porque há dinheiro, para que possamos dar uma ajuda de custo a esses estudantes que vão para Garanhuns. Uma casa de estudante não, mas uma bolsa para que no final do mês ele possa ter uma ajuda de custo, porque a gente sabe que tudo é caro e um município que não tem renda direta como o nosso, é preciso o poder público ter essa preocupação com a juventude, para proporcionar ao jovem chance de crescer e voltar para sua cidade. Nosso desejo é esse.

Nossa população está assustada com a crescente onda de violência e furtos. Há alguma proposta em seu plano de governo que contemple a área de segurança pública?

Temos sim, Emerson. Junto com o amigo Marcos Antônio, que é uma pessoa que se dedica demais com essa área de segurança pública, buscar parcerias para adquirir veículo e material para os guardas, aonde a prefeitura vai gastar apenas com cursos para os guardas, mas cursos que sejam feitos com os guardas municipais. Esses guardas que andam nesse carro, não são guardas municipais, são contratados que não fazem o trabalho direito, que chegam batendo, que não é assim. Você vai numa festa é uma vergonha, os caras querem ser polícia, e não é assim. E também procurar incentivar o trabalho em conjunto das guardas municipais, polícias militar e civil, porque aqui tá demais, é roubo em cima de roubo.

Há muita gente jovem ao seu lado, mentes abertas. Eles ajudam na construção do plano de governo do partido?

Estão nos ajudando muito com várias ideias. Eles estão participando conosco e isso é muito importante. Eu ainda sou jovem, mas é preciso que venham outros e que eles não pensem que todo político é sujo, que todo político é corrupto, porque há homens de bem na política e é preciso renovar sempre.

Qual a principal qualidade que um político deve possuir para ocupar o cargo de prefeito?

Acima de tudo honestidade, bom caráter e zelo pela população. Ter respeito com as pessoas que os colocaram lá, porque os prefeitos que passaram por Venturosa, sempre tiveram uma coisa, durante a campanha é uma coisa, quando se ganha a eleição é totalmente diferente. Quando aparece um cidadão pedir alguma coisa na prefeitura é atirado as pedras. Mal atendido, um mau atendimento horrível que tem, digo porque já presenciei e não é só de agora não, antes também teve. Então a gente tem, primeiro de tudo, que zelar pelas pessoas, ser educado com as pessoas, porque o prefeito e os demais são apenas funcionários do povo e quando um cidadão vai lá pedir alguma coisa é porque infelizmente não tem mais a quem recorrer.

O prefeito Ernandes deixa o cargo com um governo bem avaliado pela população. O que você, caso eleito, pretende fazer para melhorar as políticas públicas municipais?


Procurar usar de todas as formas e de todos os recursos para tornar a vida do povo melhor. Foi feito alguma coisa, mas poderia ser feito muito mais. Numa seca dessa, no ano passado não foi contratado um carro pipa para ajudar. Tem um pipa doado pelo Governo Federal, uma caçamba que podia carregar várias caixas d’água. Temos a questão da saúde que um caos em nosso município, a reclamação do povo é geral de remédio, de exame, o mau atendimento na secretaria de saúde por parte de alguns funcionários que trabalham lá; temos o caso da merenda escolar, que teve vários casos de merenda estragada e vários problemas nesses quatro anos que eu já tinha reclamado como o vereador João Henrique também reclamou e acima de tudo controlar os gastos do município. Não se pode num município como o nosso, sabendo das dificuldades que temos, mandar para a câmara de vereadores dizendo que gastou de R$ 150.000,00 com aluguel de carros num mês e quase o mesmo valor de combustível, quando nós sabemos a agonia que é quando alguém precisa de um carro. Isso não é zelar pelo dinheiro público.

Mensagem aos leitores do Blog:







segunda-feira, 15 de agosto de 2016

A VIOLÊNCIA QUE TOMA CONTA DE VENTUROSA


Uma mulher foi alvejada por disparos após se reagir ao roubo de um aparelho celular. Tiros foram ouvidos de longe, a população se tranca em casa e reza para que nenhum mal maior ocorra à vítima da violência dos bandidos e da omissão de nossos governantes.
A violência tem aumentando em Venturosa. Os furtos de aparelhos celulares cada vez mais comuns, em plena luz do dia e agora, uma tragédia anunciada. É errado não querer abrir mão do fruto do seu trabalho para aves de rapina que abrem asas zombando da inanição da ação governamental?

Não culpemos a polícia, ela não é onipresente e onipotente. Cobremos de quem tem o poder de resolver e ainda não se pronunciou. Desde a morte de Eduardo Campos o pacto pela vida tem demonstrado perda de foco e força. O efetivo das polícias civil e militar não é suficiente. Os investimentos em segurança pública abaixo do necessário.

E a população? Assiste indignada a tudo isso, esperando que os seus representantes façam o que deve ser feito. Mas esperar não é o suficiente. Já passou da hora, Venturosa, de cobrarmos como membros de uma sociedade o fim desse império de medo que tem tomado conta de nossa cidade.


EM BREVE O BLOG VAI PUBLICAR AS ENTREVISTAS COM OS CANDIDATOS A PREFEITO DE VENTUROSA



O BLOG registrou as entrevistas com os candidatos Charlles de Tonho, do PDT, e Eudes Tenório, do PR. As entrevistas possuem perguntas organizadas em dois blocos. Um com perguntas distintas, baseadas na realidade de cada candidato e um bloco em comum, onde o candidato é convidado a falar sobre Saúde, Geração de Emprego e Renda, Segurança Pública e estratégias para inovar na gestão municipal.

Os candidatos foram entrevistados em suas respectivas residências e o as entrevistas foram transcritas fidedignamente de arquivos de vídeo registrados por esse blogueiro. Foi acordado com ambos que , por motivos técnicos, os únicos vídeos a serem postados seriam os de suas mensagens para os cidadãos de Venturosa e os leitores que acompanham o blog.

As entrevistas reproduzem as opiniões dos entrevistados e não a do entrevistador e serão publicadas na ordem em que foram concedidas.

Dessa forma, a entrevista com o candidato do PDT, Charlles de Tonho, que seria publicada no dia 15 de agosto passará para o dia 16 de agosto em conformidade com a data liberada pelo TRE para iniciar a campanha eleitoral desse ano.

A entrevista com o candidato do PR, Eudes Tenório, será publicada na semana seguinte.

Os leitores do blog podem enviar suas opiniões sobre as entrevistas nos comentários e também em forma de artigo, sendo vedado o anonimato, para o e-mail que será divulgado ao final de cada entrevista.

Comentários anônimos não serão publicados pelo blog. 

Uma boa leitura a todos e viva a democracia!

Índios de Pernambuco ocupam secretaria estadual de educação em ato reivindicatório.

Imagem - Abril indígena - 2013 - rede social

Índios de todos os povos do estado de Pernambuco ocuparam nesta manhã a sede da secretaria estadual de educação como forma de protesto e ato reivindicatório por melhorias nos serviços prestados pelo governo do estado. São representantes dos doze povos indígenas do estado de Pernambuco, como Fulni-ô, Xukuru, Truká, Capinawá, Pankararu entre outros.
Os povos apresentam uma extensa pauta para ser debatida junto ao governo. Eles reivindicam avanços na criação da categoria de professor indígena e concurso para essa área específica a ponto de assegurar o seu direito a uma educação específica e que esteja em conformidade com seus costumes, crenças e formas de organização social. Os índios se opõe a qualquer movimento de municipalização de sua educação pois não desejam a  educação de seus jovens entregue a prefeitos que, além de não respeitarem suas tradições, possam introduzir profissionais não índios e pouco capacitados em seus territórios o que pode vir a prejudicar não apenas o futuro de sua juventude mas todo o seu modo de vida.


sábado, 13 de agosto de 2016

QUANDO EU FOR PAI


Quero ser um pai presente
e não um pai que dá presente.
Quero ser um pai amigo,
que sabe rir com o filho,
mas nunca um pai palhaço.
Não me fingir feito de aço,
ser seguro sem ser muito severo
e se precisar ser severo
não quero ser rude.
Não precisar bater para não me abater depois.
Quero ser o pai que beija e abraça,
o que solta a bicicleta de leve
deixando o filho bambear até perceber que agora é com ele.
Cair faz parte, relar joelho também.
Metiolate hoje nem dói mais.
Quero ser o pai do sim e do não,
e não o do "fale com sua mãe".
Quero ser um pai humano, cheio de falhas,
mas com a virtude que todo pai deve ter: amar sua família mais que a ele mesmo.
Quero ser pai doando um amor que de tão grande não tem fim
quero ser para meus filhos
o que meu pai é para mim!
Emerson Luiz